Sobre Todo Resto

Arruma!

Ela com 3 anos me olha:

– Profe, arruma.

E aponta para a sapatilha desamarrada. Eu estava terminando de ajudar uma outra bailarina, então não a atendi logo em seguida.

– Arruma.

– Arruma, profe.

– Arruma, arruma, arruma!

– Calma Ana! Eu já to indo.

– Arruma, proooooofe!

– Agora eu arrumo. E como se pede?

– ARRUUUUUUUMAAAAAAA!

Sobre Todo Resto

Nenê na barriga

Em algum momento da aula, ela de 4 anos comenta que a mãe está grávida. A colega fala:

– Eu também tenho um nenê na barriga.

– Ôoooooo profe Beta, né que não tem como ela ter nenê na barriga dela??

Eu escolhendo a próxima música que iria tocar respondo sucintamente:

– É.

Ela continua:

– Só mamães tem nenê na barriga. Tu tem bebê na barriga profe Beta?

Ainda escolhendo a música:

–  Não.

E ela prontamente:

– Como tu tem certeza?

Desisti de escolher uma música e coloquei a primeira que estava ali.

Sobre Todo Resto

Música já ouvida

Coloco uma música e ela me olha:

– Quando eu era pequenininha eu ôvia essa música.

– Ah é?! E que idade tu tem agora?

Ela se esforça pra mostrar com os dedinhos pequenos e diz:

– Dois.

Sobre Todo Resto

Respirando

A turma estava muito agitada. Mais do que o normal.

Pedi para que todo mundo parasse e respirasse fundo.

– Minha mãe pede pra eu respirar fundo às vezes!

Vendo uma oportunidade de identificação, aproveitei:

– Pede?! Qual mãe também pede isso pra vocês?

– A minha!

– A minha também!!

– A minha mãe nem precisa dizer, eu respiro sem ela falar.

Pequenas Palavras

Só minha.

Ajudo ela, de dois anos e meio, a descer as escadas, quando ela olha a sala de aula logo abaixo e vê a professora da sala dela, aponta e diz:

Ó, aquela é a profe de mim!

Pequenas Palavras

Pega Pega

Passo pelo pátio e vejo as crianças brincando de Pega Pega.

Um dos meninos vem correndo com toda a velocidade e assim que encosta num pilar, grita:

– REPOLHO!

Pequenas Palavras

Cabelo Maluco

Era dia do cabelo maluco:

Cheguei na escolinha e todos estavam com cabelos coloridos, com apliques e com penteados inusitados. Chamei as pequenas bailarinas para a aula e na primeira oportunidade elogiei o cabelo:

– Que lindas vocês estão! Adorei o cabelo de vocês! Quem foi que fez?

– A profe Mari.

– Eu também quero um cabelo maluco. Será que se eu pedir pra profe Mari, ela faz pra mim também?

Uma delas me olha bem séria e diz:

– Mas profe, tu já tá com um cabelo maluco! Tu tá toda escabelada!

Pequenas Palavras

Quando Crescer

Pergunto pra elas o que elas gostariam de ser quando crescerem.

– Eu quero ser professora.

– Médica

– Princesa

– Eu quero ser mãe.

– Super heroína, eu gostei tanto de Lady Bug que eu quero ser super heroína. Só a Fernanda quer ser mãe…

Achei que era a hora de intervir e digo pra ela:

– Eu também quero ser mãe.

– Mas tu É mãe.

– Não sou não…

– Então tu é filha?

É, sou. ❤

Pequenas Palavras

A vida como ela é

Cheguei na sala para buscar as bailarinas de 3 anos, nesse momento a profe de sala pede para todos que façam o “Guarda Guarda” (momento em que as crianças guardam os brinquedos utilizados).

Eu fiquei na porta olhando a turma se organizar e as bailarinas terminarem para fazer a fila.

Nesse momento um dos meninos da turma me olha e diz:

– Eu quero te ver ajudando, porque não é fácil.

Ri.

E fui ajudar, porque não deve ser fácil mesmo…

Pequenas Palavras

Vergonha

Nós, ensaiando para a apresentação de final de ano.

Ela, com 4 anos, trava. Para de fazer a coreografia.

A amiga, com 4 anos também, ajuda:

– Juju! É só pegar a vergonha e colocar no bolso!

Simples. Rápido. Efetivo. Juju termina a coreografia e eu, aprendo mais uma ferramenta para lidar com a vergonha.